terça-feira, 28 de junho de 2011

Quem sou eu afinal?




Por muito tempo vivi procurando me defini
Mostrar aos outros o que é ser feliz!
Nessa busca incessante
Já chorei
Já sorri...
Mas aprendi que viver vai mais além daquilo que pensamos
Daquilo que queremos!
Viver simplesmente é desafiar a si mesmo
E em alguns momentos desafiar até mesmo a lei da gravidade
Para que assim possamos chegar ao alvo desejado.

Nessa busca incessante conheci muitas pessoas
Algumas delas muito mesquinhas por sinal
Mas os milhares de amigos que conquistei pela graça de Deus
Logo, me faz não perder tempo pensando naqueles que querem apenas nos ver destruídos...
Que pena... Estamos vivendo da melhor forma possível
E porque perder tempo afinal já que a vida é bela e única
E perder tempo seria uma eterna bobagem...?

Para os que me querem ver derrotado...
Sinto muito, mas a cada passo que dou
Ainda que errando ou vacilando
Logo o Senhor me toma pela mão direita e me ergue sim
Sempre porque o cair é do homem mais o levantar é de Deus!

Por muito tempo busquei o amor
E amei sem pena
Sem medo...
Me expus as coisas mais bizarras
Até mesmo estúpidas se assim preferirem
Mais não deixei de mostrar o quanto amei...
Não deu certo,
Mas amei sim e amaria de novo porque viver é correr riscos
E também estou disposto a viver tais aventuras!

Um dia eu li que só os ridículos escrevem cartas de amor
E também fui ridículo porque escrevi diversas cartas de amor...
Sim... Meu caro poeta Carlos Drummond de Andrade
Também escrevi tais cartas pensando ser o meio mais exato de me expor
Ao ridículo... Ao amor,
Mas ainda assim fui incompreendido...
Mas fazer o que se muitos nasceram sem tais sensibilidades!
O que fizeram com tais cartas também não sei
Só sei que também me parece ridículo guardar todas as cartas recebidas
E eu guardo todos os rascunhos daquelas que um dia foram enviadas!
Cartas que foram escritas muitas das vezes em meio às lágrimas
Lágrimas denotando saudades
Felicidades
Tristezas ou alegrias...
Lágrimas demonstrando o real valor do amor!

Cartas que por si só exalavam a mais doce das essências...
A essência do amor!

Sim... Amei sem pudor
Fugir quando deveria encarar os percalços do dia a dia
Fiquei quando era pra ter fugido
Disse não quando era pra dizer sim
Disse sim quando deveria ter dito não...
Até desistir em alguns momentos por medo
Quando fui acometido de incertezas
Dissabores...
Quiçá... Temores!

Partir rumo ao desconhecido e como águia numa caverna
Ainda me encontro
Esperando o grandioso dia em que serei liberto dos meus medos
Das minhas incertezas e só assim saberão que felicidade
Só vem para quem tem coragem de errar acreditando está certo
E se porventura estiver errado... Recomeçar porque isso também é ser humano!
Sim... Estou à procura de mim mesmo e vou me encontrar
E quando isso acontecer
Logo saberão quem sou eu verdadeiramente...
Pode esperar porque todo olho verá
E até aqueles que me caluniaram serão obrigados a ver tudo que me aconteceu!
Aos que sempre foram solidários comigo...
Ao meu lado comemorarão minha Grande Vitória
Podem esperar!

Um comentário:

Selma Lobo disse...

Amigo, vc é uma das pessoas mais especiais que eu já conheci apesar da gente nunca ter se visto, rss.
Saudades de vc!!!
bjks

Postagem em destaque

Lançamento do meu I Livro "Doce aroma de Poesia!"

Convite Especial...  Lançamento do Meu I Livro de Poemas e Poesias... "Doce a...