quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Uma bala... Um abraço!

Tudo foi rápido por demais...

Estava entre todos e você passou rapidamente

Era uma multidão e você não havia me visto

Foi então que me levantei rapidamente

E do nada fui surpreendido pelo mais terno abraço que alguém poderia receber.

Sabe aquele abraço caloroso

Que envolve além da junção de dois corpos

Sentimentos entrelaçados?

Sim... Foi isso que aconteceu!

Sim... Você me abraçou como antes

E me trouxe a memória sentimentos que pareciam que não mais existiam...

Sentimentos verdadeiros

Puro... Intenso,

Mas ao mesmo insano... Proibido!

Foi o mais caloroso dos abraços e o motivo para tudo isso foi o mais simples,

Segundo você foi apenas para disfarçar a entrega de uma bala...

Uma bala?...

Sim... Uma bala!

E todo o teatro foi para que outros não pedissem!

Que coisa louca, mas diga-se de passagem...

Foi a melhor loucura que poderia me acontecer!

O mais interessante ainda foi que naquela multidão de pessoas, as pessoas nos ignoravam

Era como se nem existíssemos!

Mas, diante de tudo que parecia perfeito

Deparei-me com o amanhecer do dia e lá se foi meu mais belo sonho,

O único lugar que posso te encontrar sem ser interrompido...

Ao menos por um momento não é mesmo?

Isso só me faz ter uma certeza:

“”Sonhos

São espumas

E você desceu rio abaixo

Por isso, nunca nos encontramos.

Estamos perdidos

Em algum lugar do Planeta!

Mas, então me diz?

Cadê minha bala? Hehehehe...!

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Lançamento do meu I Livro "Doce aroma de Poesia!"

Convite Especial...  Lançamento do Meu I Livro de Poemas e Poesias... "Doce a...