terça-feira, 3 de agosto de 2010

Se as paredes tivessem ouvidos...! Divirta-se...!


Se as paredes falassem

Ou talvez tivessem ouvidos

O que elas falariam de você?

Outro dia meu sono se esvaiu e como é de costume eu me pus a pensar na vida e foi então que comecei a pensar sobre a vida que escolhi levar,

Aparentemente é uma vida repleta de loucuras porque estou entre quatro paredes e assim parece que tudo mim é permitido...

Mas pense comigo: “Se as paredes tivessem ouvidos ou se elas falassem

O que falariam de mim se por acaso elas fossem entrevistadas?”

Pensando nisso, eu deixei minha mente ir a todos os lugares e comecei a colocá-las primeiramente como uma parceira na Educação.

Imagine vocês se quando o professor faltasse elas assumissem o papel de professor

E resolvesse lecionar naquele instante?

Se você é um educador:

_O que esperaria que elas transmitissem a seus alunos justo naquele dia que você teve que faltar sabe-se lá por quê?

Eu fico imaginando a cara dos nossos alunos pasmados diante da situação. Falo nossos alunos porque sou professor e me coloco na situação!

Ousaria eles perguntar algo uma vez que são curiosos ao extremo ou se calariam?

Teriam elas uma nova forma de dá aula ou seria apenas o teu retrato mecânico quando assume o seu posto de professor mestre?

Pense nisto!

Agora imaginem se as paredes resolvessem ser médicos, enfermeiros, auxiliares, atendentes, porteiros dentre outros parceiros da Saúde?

Já imaginou o tamanho caos se elas apenas transcrevessem mecanicamente aquilo que ouvem quando os maus humorados profissionais fazem muitas das vezes no seu dia-a-dia quando negligenciam o seu trabalho?

E se um paciente deixasse de ser paciente e se tornasse defunto nas suas mãos, olha que hilário: _Desde quando parede tem mãos?

Mas eu os interpelo:_Se elas podem ter ouvidos ou boca, as mãos não seriam apenas um complemento para desenvolver tais habilidades?

Abro um precedente aqui pra dizer que estas paredes também poderiam ser bons funcionários nesta área que ainda tem alguns profissionais que atuam decentemente...!

Mas, vamos ver até onde vão minhas loucuras senhoras e senhores...

Me acompanhem por favor e forcem comigo um pouquinho os seus dons criativos e imaginem se por acaso nas caladas da noite você passasse ao lado de um cemitério e ouvisse um conselho estarrecedor:

_Por que não vais pra casa para que evites parar aqui dentro?

_ O perigo está ao eu lado meu caro... Se cuide e depois não venhas se lamentar!

Eu sou capaz de imaginar a tamanha carreira e até a forma eufórica com que contarias para alguém:

_ Eu vi... Eu juro que eu vi uma alma penada me aconselhando a voltar para casa quando passei altas horas da noite na rua do cemitério... Foi uma alma penada não tem como não ser?!

Ironicamente até seus pais iriam se apossar da situação para te dizer:
_ Tá vendo aí quando eu te dou conselhos e você não ouve... Quem não ouve conselho ouve coitado..._ Já diziam os mais sábios!

Ainda imaginando as paredes como conselheiras num cemitério, eu tenho toda convicção que elas seriam capazes de chorar... E como dizem por aí lágrimas de sangue e não lágrimas de crocodilo porque seriam testemunhas vivas de muitas hipocrisias quando um morto fosse depositado na cova e logo um pai que por muitos anos fora ausente na vida daquele filho diria: _ Ô meu Deus porque o Senhor fez isso com ele, era um ótimo homem, um bom menino, eu o amava!... Olha que ironia!

Mas eu também acredito que muitas lágrimas também amoleceriam seu coração de parede, literalmente falando... Seu coração de pedra porque veriam muitas pessoas boas, amáveis, inocentes sendo depositadas naqueles sepulcros caiados... Frutos das mentes assassinas que também por ironia do destino também seriam depositadas ali dias depois vítimas das suas próprias emboscadas!

Elas testemunhariam corações enamorados jurando fidelidade eterna ao ser amado já que havia acabado tudo naquele instante! Aí sim, elas seriam tocadas no mais profundo do seu “ser” de parede que além de ter ouvidos, falam e também sentem e sentem com pesar, diga-se de passagem!

E ainda dando mais ênfase as minhas loucuras, eu acredito que elas de certa forma seriam testemunhas vivas de que dó pó viemos e para ele voltaremos porque não existe ninguém melhor que ou outro pois quando morremos somos todos iguais na chegada e na partida!

Quanta loucura hem?

Tudo isso se as paredes tivessem ouvidos ou falassem como ouvimos corriqueiramente quando alguém nos segreda algo:

_Chega mais... Cuidado!... As paredes têm ouvidos!

Eu poderia terminar aqui e agora a minha mal traçada sei lá o que, alguns dirão que um texto, outros dirão loucuras, eu diria que são os meus pensamentos de cada dia quando paro pra refletir sobre a vida!

Talvez eu não soubesse nem descrever o que as paredes em frentes aos jardins poderiam dizer diante dos fatos que vivenciam todos os dias, por todos os instantes...

Mas deixemos isso pra lá e vamos à última situação hipotética!

Ainda imagine comigo se por acaso um dia as paredes fossem ouvidas como testemunhas num julgamento?

Pior, se elas fossem juízes, promotores, advogados, júris ou até mesmo as testemunhas, quais seriam as possibilidades da sua absolvição?

O que mim dirias?

Então ousadamente eu os advirto:

_Cuidado! As paredes tem ouvidos e se elas resolverem falar o que acontecerás contigo!?

Não sei e nem quero saber!... Apenas vale o conselho:

_ Vivas de tal forma que tenhas uma conduta irrepreensível para que neste suposto julgamento você possa ser absolvido por falta de provas que te incrimine... Isso devido aquilo que você se tornou vivendo dignamente neste mundo que tem nos levado a crer que o próximo passo da humanidade é se lançar ao caos!

Ufa!...Ainda bem que paredes não tem ouvidos não é mesmo?!


Um comentário:

joelma cardoso disse...

Eita se as paredes tivessem ouvidos
gracas a Deus nao tem!!
pq a Vida Ja nao e facil imagina se as paredes tevesse ouvidos kkk

ha obg pelo comentario te adoro

Postagem em destaque

Lançamento do meu I Livro "Doce aroma de Poesia!"

Convite Especial...  Lançamento do Meu I Livro de Poemas e Poesias... "Doce a...